Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Apresentação
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Histórico do Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural

  • Publicado: Domingo, 09 de Novembro de 2014, 02h18
  • Última atualização em Sábado, 16 de Setembro de 2017, 00h10

A criação e o funcionamento do Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural (NCADR) foi aprovado pelo CONSUN no dia 09 de outubro de 2007. A estrutura acadêmico-administrativa foi instituída pela Portaria Nº 942 de 19 de março de 2008, publicada na folha 11 da Seção 1 no D.O.U. Nº 55 no dia 20 de março de 2008. O NCADR sucedeu o Centro Agropecuário (CA) em decorrência das mudanças regimentais ocorridas na UFPa a partir de 2007. O antigo Centro Agropecuário iniciou suas atividades em 1991 com o curso de Especialização em Agriculturas Familiares Amazônicas e Desenvolvimento Ambiental (DAZ), sediado no NAEA (Núcleo de Altos Estudos Amazônicos) e com o curso de Mestrado em Ciência Animal e a criação da CEBRAN[1] (Central de Biotecnologia da Reprodução Animal), ambos ligados ao antigo Centro de Biologia. Em 1994 foi formalizado dentro da instituição enquanto Unidade Acadêmico-administrativa sendo constituído por duas subunidades com característica de núcleos de integração: O Núcleo de Estudos Integrados sobre Agricultura Familiar (NEAF) e o Núcleo de Estudos em Ciência Animal (NECAN). Essas duas subunidades deram origem aos dois Programas de Pós-Graduação (PPGAA e PPGCAN) sob a responsabilidade do NCADR.

O NEAF desenvolveu um dispositivo de atuação em estreita parceria com outras unidades da instituição, particularmente os Campi de Altamira e Marabá, assim como parcerias interinstitucionais, caso da EMBRAPA- Amazônia Oriental. As atividades desta subunidade foram voltadas para apoiar uma formação integrada entre Pós e Graduação. Para tanto, a Unidade iniciou suas atividades pela Pós-Graduação (Especialização do DAZ), formando docentes-pesquisadores com competências para atuar com um público regional, até então, pouco conhecido e estudado pelas Ciências Agrárias – a Agricultura Familiar[2] Amazônica. Com um acúmulo inicial de massa crítica e articulação estreita com a sociedade civil, foram concebidos os cursos de graduação em Licenciatura em Ciências Agrárias (criado em 1997) e Agronomia (criado em 2000), ofertados nos Campi de Marabá e Altamira[3] e Mestrado em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável (MAFDS – criado em 1996)) em Belém. Além das atividades de formação, a integração da P-F-D (Pesquisa, Formação e Desenvolvimento) foi garantida através de inúmeros projetos de Pesquisa-Desenvolvimento desenvolvidos nos laboratórios de pesquisa, sediados no interior (campi de Marabá e de Altamira)[4] de forma articulada com os cursos de graduação e pós-graduação.

Em síntese, o NEAF foi criado a partir de um trabalho de articulação entre as atividades de três campi, Marabá, Altamira e Belém, que possibilitou a criação dos cursos de ciências agrárias, com olhar atento para as lógicas familiares de produção, nos dois primeiros campi.

 

MISSÃO DA UNIDADE

Contribuir para a produção de conhecimentos sobre a Agricultura Familiar em sua complexidade, visando formar recursos humanos capazes de construir uma sociedade justa, estimular o diálogo entre atores, e embasar a ação pública.

VISÃO DA UNIDADE

Torna-se referência na produção de conhecimentos e na geração de inovações tecnológicas e sociais visando o desenvolvimento multidimensional (social, econômico, ecológico, cultural) equânime da sociedade local, regional e nacional.

PRINCÍPIOS DA UNIDADE

  • Defesa do ensino público e gratuito.
  • Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.
  • Compromisso com a promoção do desenvolvimento educacional, cultural, social, artístico, econômico e ambiental das populações Amazônicas e Nacional.
  • Universalização do conhecimento.
  • Pluralidade de ideias.
  • Diversidade de métodos, critérios e procedimentos acadêmicos.
  • Defesa da vida e do meio ambiente.
  • Respeito à diversidade étnica, cultural e ambiental.

 

[1] Atualmente integrados à estrutura do Campus de Castanhal.

[2] A opção histórica de privilegiar o apoio à agricultura familiar foi e segue sendo um dos grandes diferenciais desta Unidade, pois ao mesmo tempo em que não sobrepõe ações com os demais parceiros institucionais, oferece um dos únicos espaços de Pesquisa e Formação que acolhe tanto as temáticas relacionadas a este público, como tem possibilitado aos próprios agricultores um acesso democrático ao espaço acadêmico.

[3] Atualmente sob a responsabilidade da Faculdade de Ciências Agrárias de Marabá e da Faculdade de Engenharia Agronômica de Marabá e Altamira, respectivamente.

[4] LASAT em Marabá e LAET em Altamira. Atualmente, devido à atual conjuntura institucional e outras razões, os dois laboratórios foram desativados, mas a colaboração com as Faculdades e as atividades de pesquisa continuam tanto no Campus de Marabá quanto o de Altamira.

registrado em:
Fim do conteúdo da página